26 Fev 2018

Case Brinox

Ao adquirir a marca Coza, em 2012, o Grupo Brinox passou a fabricar, além dos tradicionais utensílios em inox, produtos em plástico, numa gama variada de opções para a casa. Com isso, houve a necessidade de repensar o processo de prototipagem de novos produtos, visando um ganho em agilidade e precisão antes do lançamento ao mercado. Antes da adesão à tecnologia de impressão em 3D para o processo de fabricação de protótipos, o Grupo Brinox utilizava apenas desenhos projetados no computador e recorria, no caso de produtos mais complexos, a serviços terceirizados de impressão.

“Percebemos que a aprovação de um produto final apenas pelo desenho, sem ter a ideia de como ele ficaria após materializado, não era o ideal. Queríamos ter o protótipo em mãos para avaliar a necessidade de alterações antes de ir para a linha de produção. Pesquisamos serviços terceirizados, mas o custo era muito alto para a empresa. Em algum momento chegamos a fazer protótipos em náilon ou papelão, mas a depender da geometria e complexidade, esse processo nem sempre era viável. A partir daí cogitamos a ideia de fazer uso da impressão em 3D.” 
Jacson Paulino Pires 
Projetista do setor de Desenvolvimento de Produtos do Grupo Brinox.

Num primeiro momento, o Grupo Brinox fez um levantamento de custos com a produção de protótipos. O resultado? A necessidade de encontrar uma alternativa que substituísse a terceirização nesse processo. Foi realizada uma tomada de preços com alguns modelos de impressoras 3D. O valor alto do equipamento fez com que a decisão fosse adiada por um momento, até a empresa conhecer a linha da Cliever.

O preço atrativo resultou na aquisição do modelo CL1 e, meses depois, a CL2 Pro Plus. Desde que a tecnologia de impressão 3D passou a fazer parte da rotina de processo do Grupo, mais de 100 produtos lançados ao mercado já foram prototipados, entre eles: saboneteiras, organizadores de pia, tampas de potes de inox, marmitas, entre outros. A empresa aproveitou os equipamentos para também projetar gabaritos de montagem para a linha de produção.

De acordo com Pires, a chegada da impressão 3D ao Grupo Brinox representou uma evolução impactante na produção de seus produtos. “É uma ferramenta que chegou para contribuir decisivamente no nosso processo de produção de produtos. Nossos projetos finais são aprovados após o protótipo ter sido impresso e analisado. Avaliamos o design, a geometria e as funcionalidades. Isso contribuiu muito com todo nosso processo de criação, análise e produção”, conclui.

Destaques da Cliever